Pandora's Dawn

Reforços a caminho

Um pequeno foco de luz ilumina um pequena cabana no norte da floresta de Traery, dentro da cabana duas distinas figuras dão formas as sombras criadas pela luz. Um humano deitado em uma cama simples, de palha, tosse e se curva sentindo dor enquanto um humanóide com a pele escamosa cuidadosamente esfrega uma estopa ensopada de suor na testa do humano. Erskine Holt, um mestre espadachim muito habilidoso encontra-se debilitado e febril enquanto seu jovem aprendiz, Dake Slyhorn (um draconiano), toma conta de suas mazelas. Erskine tira um papel de um móvel ao seu lado e pede que Drake leve-o até a cidade de Traery, no coração da floresta. O aprendiz prontamente atende o pedido, se prepara e parte para o seu destino.

Durante a noite, chuvosa e escura Drake caminha pela floresta até conseguir encontrar uma trilha, com uma tocha na mão o Homem-Dragão avista uma estrada se move em direção da mesma. A chuva aperta, a tocha apaga e o espadachim iniciante se vê no escuro novamente, mesmo assim segue caminhando até encontrar um tronco que forma uma espécie de viaduto natural, passa por baixo de mesmo, mas não consegue avançar muito na estrada. Receoso de continuar, o andarilho volta para debaixo do tronco e se esforça para conseguir acender uma fogueira embaixo do mesmo, usando uma habilidade muito rara, seu sopro de dragão. Após muitas baforadas de chamas finalmente a fogueira acende e a noite passa vagarosamente, húmida e pesada. Pela manhã, com o caminho mais seco e mais claro, Drake segue seu rumo até chegar aos portões da cidade élfica.

Interpelado pelos sentinelas à postos, Drake tem de se explicar e recorra à carta de seu mestre. Os elfos arqueiros, desconfiados como sempre, verificam a validade da carta e permitem a entrada do espadachim, que é conduzido até o palácio real.

Os Batedores de Pandora ainda se encontram nas dependências do palácio acompanhados por Galthyr. Ao descer em direção à saida o grupo de aventureiros dá de cara com uma comitiva élfica escoltando o que parece ser um lagartão bípede. Estranhando a criatura todos ficam curiosos, especialmente Galthyr que é informado da tal carta de Erskine, já cansado das interrupções frequentes e da quantidade de figuras bizarras que aparecem à sua frente o emissário élfico sobe rapidamente para conversar com o rei Neurion e decidir o que fazer quanto ao extrangeiro.

Enquanto isso os Batedores iniciam várias manobras para tentar identificar a criatura esquisita. Vrylore conjura magias para detectar itens mágicos, Ren-Var avalia se a criatura fala a verdade, o druida se circunda seu objeto de curiosidade a fim de entender melhor sua natureza, Shaco inicia um breve diálogo e ouve uma voz que lembra um cobra tentando falar e por fim Daryl pita seu cigarro, pensativo. Galthyr volta, dá sinal positivo e permite que Drake se explique. Drake se apresenta, informa que seu mestre está doente e pede auxílio, Galthyr, por sua vez, acena positivamente, deixando claro que prentede ajudar, mas logo explica que a guerra é prioridade e que a ajuda não será gratuita, o lagartóide concorda. Assim Galthyr pergunta se os batedores podem absorver mais esse reforço e nenhum participante da companhia se opoém, Daryl somente pede que Shaco teste as habilidades de combate do recém aceito e todos se movem em direção à taverna onde ficam de costume.

Chegando à frente da taverna dois bastões de madeira são providenciados por Ren-Var, os aventureiros abrem espaço para os duelistas, e o teste começa. Drake toma a iniciativa e parte para cima de Shaco com um golpe de bastão e um soco, porém o assassino escapa habilmente dos dois e desloca-se para o lado, retornando com ataques de bastão, esses que são rechaçados pelo lagarto, enquanto isso Vrylore se posiciona com a intenção de realizar alguma magia. Em seguida mais ataques vem na direção do humano, novamente uma sequência de bastão e soco, sendo que somente o bastão tem a possibilidade de acertar Gang Hall, porém não acontece, um rápido movimento de espada e Shaco apara ataque, move-se para o lado novamente e lança uma finta, deixando o lagarto confuso e tirando seu foco, outro ataque vindo do espadachim é frustrado pelo assassino, que finalmente toma as costas de seu oponente desferindo um fórtissimo golpe na nuca, que causa a queda do Homem-Dragão, nesse momento luta é interrompida, Vrylore desiste de sua ação e Ren-Var se apressar em curar o novato. Daryl se vê satisfeito com o resultado, Shaco elogia a velocidade de Drake e todos entram na taverna. O mais novo integrante sente-se feliz por ter sido recebido e pede uma rodada de cervejas, Daryl, Gang Hall, e Ren-Var sentam-se à volta da mesa para discutir o curso de ações militares enquanto Vrylore se dedica a satisfazer a sua curiosidade sobre os itens obtidos em sua última incursão. O assassino e o druida lembram-se brevemente que Kyle ficou de criar raízes venenosas anti-Orc, e o mesmo prontifica-se a fazê-las.

Durante cinco horas os batedores tem uma certa calmaria, todos tomandos suas devidas ações, até o momento em que eles são interrompidos pelo Emissário élfico mais chegado, e são levados às pressas aos portões.

Comments

gustabass

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.